Arquivo de novembro, 2015

O Apache Maven é uma ferramenta de gerenciamento de projetos de software e compreensão de pacotes. Baseado no conceito de um modelo de objeto do projeto (POM), O Maven pode gerir um projeto de construção (compilação), elaboração de relatórios e documentação de uma única central de informações.

Um Project Object Model, fornece todas as configurações para um único projeto. A configuração geral cobre o nome do projeto, seu proprietário e suas dependências de outros projetos. Também pode configurar fases individuais do processo de construção, que são implementados como plug-ins. Projetos maiores poderiam ser divididos em vários módulos, ou subprojetos, cada um com seu próprio POM. Cada um pode então escrever um POM raiz através do qual pode-se compilar todos os módulos com um único comando.

O Maven utiliza templates chamados de Archetypes ou arquétipos que são um conjunto de ferramentas de modelagem do projeto Maven. Um arquétipo é definido como um padrão ou modelo inicial a partir da qual todos os outros objetos do mesmo tipo são feitos contemplando as melhores praticas para cada modelo. Os Arquétipos ajudam autores a criar modelos de projeto Maven para os usuários, e oferece aos usuários os meios para gerar versões parametrizadas desses modelos de projeto.

Versões mais modernas do Eclipse já contemplam uma instalação para criar projetos Maven, mas não habilita comandos no ambiente de console do Linux, siga os passos abaixo para instalar o Maven para ser utilizado pela linha de comando no console, isto é muito versátil quando você precisa instalar arquivos jar no repositório do Maven.

Maven: https://maven.apache.org/

Instalando o Apache Maven no Linux openSuse

1 – Abra o console do Linux e digite as seguintes linhas de comando:


java -version

cd Downloads

tar xvzf apache-maven*.tar.gz -C /tmp/

sudo su

rm /home/[myUser]/Downloads/apache-maven*bin.tar.gz

chown -R root:root /tmp/apache-maven*

mv /tmp/apache-maven* /opt/

exit

kdesu kwrite $HOME/.bashrc

//*** Adicione a linha abaixo dentro do arquivo no kwrite e salve (vide imagem)
//export PATH=$PATH:/opt/apache-maven-3.3.9/bin/
//****
source $HOME/.bashrc

mvn -version

Os comando acima tem a seguinte ação

  • Verifica se você possui o Java (Obrigatório).
  • Abre a pasta de download do usuário, descompacta o arquivo em um diretório temporário.
  • Eleva direitos de super usuário, atribui propriedade ao usuário, exclui o arquivo baixado e move a instalação para o diretório correto.
  • Abre o arquivo de configuração do Linux usando a GUI para que você o altere e aplique as alterações no sistema.
  • Testa o Maven instalado.
Instalar Maven

Instalar Maven

Você deve adaptar os comandos de acordo com a realidade do arquivo binário do Maven no qual baixou e o usuário do seu sistema operacional.

2 – Atente-se para a alteração no arquivo bashrc e coloque a linha para inserir o caminho do Maven a variável de ambiente $PATH. Apos completar todos os comandos você deve obter a versão do Maven  indicando que a instalação foi um sucesso:

Maven -version

Maven -version

O Apache Maven foi instalado com sucesso no seu openSuse e você já pode utilizar o Maven através da linha de comando no console.

Anúncios

O Apache Tomcat  é um servidor web desenvolvido pela Apache Software Foundation (ASF). O Tomcat implementa o Java Servlet e JavaServer Pages (JSP) especificados pela Oracle, e fornece um ambiente de servidor puro JavaHTTP web para o código Java.

TomCat 8: http://tomcat.apache.org/

Instalando o Apache Tomcat

1 – Após o download do arquivo você precisa instalar o JDK 8, caso ainda não tenha instalado basta dar duplo clique no arquivo jdk-8u65-linux-x64.rpm para efetuar a instalação.

Linux JDK 8 RPM: Download

Para Instalar o tomcat8:

sudo tar -zxvf apache-tomcat-8.0.28.tar.gz -C /usr/local/

2- Caso não tenha nenhum servidor rodando na porta 8080, pule este passo. Caso tenha um outro servidor web em sua maquina ou pretenda trabalhar com o Oracle Database (Oracle usa APEX na 8080) mude as todas portas do arquivo de configuração para que iniciem o valor 9, por exemplo: 9080 e assim por diante, utilize a figura abaixo para referencia:

kdesu kwrite /usr/local/apache-tomcat-8.0.28/conf/server.xml

 

Server.xml

Server.xml

3 – Você precisa definir um usuário e senha para que possa acessar as configurações do Tomcat, digite a seguinte linha de comando para alterar o arquivo de usuários:

kdesu kwrite /usr/local/apache-tomcat-8.0.28/conf/tomcat-users.xml
Users.xml

Users.xml

Inclua os dados abaixo no arquivo xml:

<role rolename="manager-gui"/>
<user username="tomcat" password="tomcat" roles="manager-gui"/>

4 – Digite o comando a seguir para iniciar o servidor Tomcat:

sudo /usr/local/apache-tomcat-8.0.28/bin/startup.sh
Iniciando o Tomcat

Iniciando o Tomcat

5 – Abra o seu navegador e digite o seguinte endereço, “localhost:9080“:

Localhost:9080 - Tomcat

Localhost:9080 – Tomcat

6 – Para finalizar atribua o diretório do Tomcat ao seu usuário pois vai necessitar assim que utilizar o Eclipse ou alguma outra IDE de sua preferencia para que possa acessar os arquivos do Tomcat e iniciar uma nova instancia de sua IDE. Atente-se que no comando abaixo DevAberto é o usuário logado no Linux, você também deve ficar atento as versões do arquivo que você está baixando e adaptar as linhas de comandos para que você não obtenha erros:

sudo chown -R DevAberto /usr/local/apache-tomcat-8.0.28/

Tudo pronto e você já está apto a criar suas aplicações Java para Web, utilize nossos exemplos para aprender mais sobre Java EE.

Desenvolver aplicativos que possam rodar em varias plataformas é uma vantagem nos dia de hoje. Até as empresas mais tradicionais como a Microsoft há tempos resolveu quebrar de vez a barreira de sua plataforma e investir em portabilidade e interoperabilidade. Seja adquirindo e disponibilizando aplicativos para outras plataformas como o Skype, ou mesmo desenvolvendo suas próprias ferramentas, como o Visual Studio Code ou também firmando parcerias com outros sistemas operacionais como já vem de algum tempo a aliança entre a Microsoft e a Novell proprietária da edição Linux Suse Enterprise.
Nos desenvolvedores, estudantes, entusiastas e profissionais de tecnologia amantes da programação podemos também participar desta parceria desenvolvendo aplicativos profissionais para o mercado corporativo no qual podemos tirar vantagem da interoperabilidade entre os sistemas operacionais Linux e Windows. Para começar esta empreitada precisamos do básico, ou seja instalar os dois sistemas operacionais em um computador, este recurso nada mas é do que o conhecido Dual Boot, que na verdade não precisa ser exatamente “Dual” podemos ter vários sistemas operacionais instalados em um computador e usar o que desejarmos, escolhendo na hora do boot qual sistema operacional vamos carregar e trabalhar.

 

Criando um Dual Boot Windows 10 e openSuse à partir do Windows com um Pen Drive

 

1 – Vamos criar um dual boot entre o Windows 10 e Linux openSuse de um modo simples e fácil. No Windows 10,  vamos primeiro baixar uma cópia no formato “.iso” do sistema operacional openSuse Linux:
OpenSuseopensuse.org
Para criar um pen drive para a instalação do openSuse baixe o seguinte programa:
Para criar o pen drive de instalação siga os quatro simples passos do programa que são, selecionar o pen drive, escolher a opção “Write image to USB“, selecionar o arquivo iso do openSuse e clicar no botão Write para começar a criação do pen drive de boot Linux.
ImageUSB

ImageUSB

2 – Na nova pesquisa do Windows 10 ao lado do botão iniciar, escreva a palavra “disco” e escolha a opção criar e formatar partições do disco rígido:
Gerenciador de Disco

Gerenciador de Disco

3 – Selecione a partição onde o Windows 10 está instalado, geralmente o volume C: e com o botão direito do mouse escolha diminuir volume:
Partições de disco

Partições de disco

4 – Diminua a quantidade de Gigabytes desejada, neste exemplo vou diminuir 1 GB:

Diminuir partição

Diminuir partição

5 – Você vai visualizar o espaço não alocado em seu disco, matenha assim, não formate pois o Linux irá reconhecer automaticamente este espaço e assim teremos uma instalação simples:

Não Alocado

Não Alocado

6 – Reinicie o sistema operacional e dê o boot pelo pen drive. Antes tenha certeza que você habilitou o boot USB e o colocou como primeiro boot na configuração da sua BIOS. Use a tecla para escolher o Boot no meu caso F12 mas isso vai depender da sua placa mãe:

Boot Pen Drive

Boot Pen Drive

7 – Instale o openSuse normalmente com todas as opções recomendadas use o particionamento sugerido a não ser que você seja um usuário avançado e queira escolher suas partições manualmente.

Caso tenha duvidas de como instalar o openSuse use nosso post no link abaixo. Atente-se para a opção de disco onde o Linux irá dividir seu espaço não particionado em 3 partições Linux, ext4, swap e /home, além disso ira criar o boot/Efi na partição /sda1 que é nada mais que o C: do Windows:

Instalando o openSuse (pule a maquina virtual neste post)

Disco e partições Linux

Disco e partições Linux

Você também pode escolher entre as duas interfaces gráficas padrão na instalação do openSuse, a Gnome e a KDE, sendo que a KDE se assemelha mais ao estilo do Windows com o botão iniciar e tudo mais. Você também pode escolher uma outra interface gráfica se  desejar, segue abaixo uma previa das duas interfaces mais comuns quando o openSuse estiver instalado:

KDE

KDE

Gnome

Gnome

8 – Após a instalação do openSuse o sistema irá reiniciar, você já poderá ver a tela de escolha de boot do Grub do Linux, escolha openSuse mais uma vez para que o sistema termine a instalação. Assim que terminar a instalação do openSuse você já pode reiniciar e alternar os sistemas operacionais como desejar:

Grub - Dual Boot

Grub – Dual Boot

Você já pode começar a utilizar os sistemas operacionais Windows 10 e Linux Suse e tirar proveito da interoperabilidade disponível para desenvolver seus aplicativos corporativos.