Introdução ao SAP R/3

Publicado: 4 de fevereiro de 2014 em Abap

Como aprender Abap neste site?

Após instalar o NetWeaver Server e o SAP GUI, no menu categorias clique em Abap e vá para o primeiro post, cada post contem uma teoria e um código fonte, siga os em ordem decrescente ou seja do ultimo para o mais recente, o post mais antigo contem as primeiras lições e como usar o SAP R/3, continue acompanhando o site para se atualizar e aprender mais sobre Abap.

Como criar meu primeiro programa Abap?

Após a instalação do NetWeaver e do SAP GUI, abra o SAP Logon e entre no sistema R/3 e crie seu primeiro programa Abap.

A Revolução MySAP

Muitas pessoas dizem que mySAP tinha sido uma campanha de marketing para manter o ritmo com a revolução da internet e nova economia. Se este era o caso ou não: mySAP entretanto representa uma nova filosofia de computação colaborativa e distribuída, que permite integrar desenvolvimentos escritos em diferentes plataformas e em diferentes idiomas em um único sistema.

Enterprise Resource Planning (SAP ERP)

Soluções SAP ERP atendem às necessidades de uma organização para administrar e gerenciar as operações da organização para gestão de capital humano, a excelência financeira, excelência operacional e uma variedade de questões de gestão empresarial cruciais

SAP ERP (até 2003 SAP R3, até 2007 MySAP ERP)

É um sistema integrado de gestão empresarial (ERP) transacional, produto principal da SAP AG, uma empresa alemã, líder no segmento de software corporativos , tendo cerca de 86 mil clientes, segundo a própria SAP, em todo mundo, dentre a grande maioria empresas de grande porte.

O sistema procura contemplar a empresa como um todo, dividido em módulos, onde cada módulo corresponde a uma área especifica, como por exemplo, o módulo SD (Sales and Distribution) que contempla a área de Vendas e Distribuição, fazendo a integração das informações para determinado processo. Cada programa, é executado através de uma transação separadamente. Estes programas são desenvolvidos em ABAP, uma linguagem de programação, na qual a SAP é proprietária dos direitos.

Cada módulo é responsável por mais mil processos de negócios, baseado em práticas do dia a dia de cada empresa, o sistema é configurado para atender a necessidade de cada determinado processo, onde mais de 8 mil tabelas administram em tempo real as informações que trafegam pela empresa. Seus métodos de trabalho e bastante conhecido por disponibilizar conforto e eficiência ao relacionar programas da mais alta tecnologia e desenvolver programas capazes de solucionar os mais variados tipos de tarefas.

R/3 em Três camadas

Um sistema SAP R/3 é composto por três camadas: Frontend Application Database

  • Frontend é camada responsável por “exibir” as telas ao usuário.
  • Application é onde são processadas as operações efetuadas, transferindo para o Frontend, os dados a serem exibidos. É nessa camada que os programas ABAP são executados.  A camada de Application possui diversos serviços e processos (também chamados de Work Process) disponíveis.
  • Database o desenho típico de uma instância SAP é um servidor de Banco de Dados com um ou mais servidores de Application. Isso garante a integridade dos dados, e permite uma distribuição de carga nos servidores de aplicativo entre os usuários.

SAPGUI

É o cliente GUI na arquitetura de 3 camadas do SAP R/3 – de banco de dados, servidor e cliente de aplicativo. É um software que é executado em um computador desktop com o sistema operacional Microsoft Windows, Apple Macintosh ou Unix , e permite que o usuário acesse as funcionalidades SAP em aplicações SAP, como o SAP ERP. É a plataforma usada para acesso remoto ao servidor central SAP em uma rede da empresa.

Best-Of-Breed

O melhor produto do seu tipo. Organizações muitas vezes compram o software de diferentes fornecedores, a fim de obter um software best-of-breed cada área de aplicação, por exemplo, um pacote de recursos humanos de um fornecedor e um pacote de contabilidade a partir de outro. Enquanto fornecedores de ERP oferecem uma grande variedade de aplicações para a empresa e seu sistema integrado como a solução superior, cada módulo pode não ser best-of-breed. É difícil se destacar em todos os nichos. O R/3 é considerado um ERP best-of-breed sendo líder mundial absoluto.

Client – Server Com R/3

  •  Programação cliente – servidor
  •  Software e aplicações best-of-breed e que cooperam entre si
  •  Um servidor aguarda solicitações de um cliente
  •   Um servidor presta serviços a um cliente
  •   Um cliente envia pedidos para um servidor e espera a resposta
  •   SAP R/3  atua como um servidor ou como um cliente para não-sistemas R/3
  •   Comunicação realizada através do protocolo TCP / IP
  •   R/3 chama componentes ActiveX através da Microsoft DCOM + protocolo
  •   R/3 chama Java Beans através protocolo CORBA
  •   ActiveX DCOM + clientes podem chamar o R/3, utilizando dlls e active-x
  •   JAVA pode chamar R/3 via bibliotecas CORBA da SAP
  •   Um programa chamando outro componente em um computador distante é chamado de remote program (RPM)
  •  Um  programa remoto chama o R/3 através de chamadas de função remotas (RFC)

Conectividade R/3

SAP oferece diferentes abordagens estratégicas para o desenvolvimento Web e Desktop com R/3 o acesso, ou seja, ITS, DCOM, Java conector e o objeto RFC Server. No entanto, todos esses utilitários tem como base a mesma interface de RFC.

As Bibliotecas RFC

O método de comunicação comum para  aplicações não R/3  e aplicações R/3 é o  RFC – protocolo de Chamada de função remota, que é principalmente uma variação do protocolo IBM CPIC. Existem bibliotecas fornecidas pela SAP para diferentes sistemas operacionais e plataformas – especialmente Windows e UNIX – pode  ser usado por aplicações não R/3 para chamar funções R/3. Todas as tecnologias de acesso populares como ITS, DCOM ou Java Connector são aplicações do shell e o acesso a estas bibliotecas RFC é de baixo nível.

Acesso DCOM através do Windows

O Windows acessa todos os componentes externos por meio de seu componente de arquitetura DCOM. No Windows o protocolo de soquete é implementado na biblioteca  librfc32.dll e possui um número mais conveniente de interfaces de aplicações de alto nível, 35 bibliotecas (API) estão disponíveis. Especialmente o wdtlog.ocx e wdtfuncs.ocx são bibliotecas que tornam muito fácil chamar RFC por meio de aplicativos do Windows.

Conector DCOM – Aplicação Proxy

O conector DCOM é basicamente um programa gerador de código. É um conjunto de rotinas de interface que permitem a comunicação entre R/3 e aplicativos externos usando o ANSI DCOM (Distributed Common Object Model). Este é um protocolo amplamente utilizado e define como um computador pode acessar e chamar e bibliotecas de aplicativos em um computador remoto. Conector DCOM gera uma interface de código C++  que espelha a estrutura da interface de módulos escolhidos de função RFC.

O conector DCOM é um gerador de proxy. Ele faz o download do objeto de especificações do R/3 e gerar localmente uma DLL ou módulo OCX. Seu servidor web de aplicação acessará o R/3, exclusivamente através destas DLLs proxy geradas. As especificações de interface são determinadas uma vez durante o desenvolvimento e compilados dentro do objeto proxy. Isto é ao contrário objeto do servidor RFC que recupera a especificação de interface cada vez que uma conexão é estabelecida

Usar um aplicativo de proxy permite o acesso muito rápido ao computador remoto, especialmente se um grande número de objetos devem ser acessados. Diferentemente do  objetos de servidor RFC as definições de objetos são carregados uma vez durante o tempo de desenvolvimento e compilado em seu projeto. A desvantagem é que se tiver uma alteração na estrutura de interface de controle remoto do objeto R/3 , por exemplo, a interface de um módulo de função acabará por exigir regenerar a biblioteca das DLL de objeto proxy.

ITS – Internet Transaction Server

O ITS tem sido a principal abordagem para dar um acesso completo ao R/3 através de um  navegador web. ITS é uma  típica aplicação broker. É um programa que estoca modelos para cada potencial transação de tela Dynpro R/3. Sempre que um e navegador client pede uma transação ao R/3 ele procura o modelo que corresponde ao Dynpro R/3, solicita os dados Dynpro do R/3 e mescla modelo e os dados em um HTML válido ou página XML. Esta página é então enviada para o navegador web.

A vantagem é clara: você pode acessar facilmente todas as transações do R/3 de uma conexão com a internet ou intranet, contanto que tenha um modelo para toda a operação de dynpros. A desvantagem é uma falha de segurança em potencial. O ITS dá acesso completo para todas as operações do R/3, confiando, assim, plenamente no mecanismo de autorização SAP.

O sistema está completamente exposto ao público. Embora isto pode ser aceitável para intranets e extranets, não é sensato optar por esta solução para aplicações baseadas em internet.

É interessante apenas, se você quer dar acesso livre ao seu sistema R/3, enquanto você não é capazes de fornecer a instalação do SAPGUI adequada. Tenha em mente também, que você teria que definir um modelo para cada Dynpro, a SAP fornece modelos padrão para todos dynpros.

O  ITS é considerada uma tecnologia obsoleta, que não prevê benefícios como o DCOM e a abordagem de servidor ativo. Ele só é interessante para as pessoas que decidem de forma clara, que eles querem abrir e expor o seu sistema para o público, por exemplo, em uma extranet, onde não é possível instalar o SAPGUI nas estações de trabalho individuais. Também pode ser útil para aqueles de que têm grande experiência no R/3, mas pouco de know-how no design do aplicativos web.

Uso DCOM e Protocolos de Comunicação

A camada de DCOM é o agente de manipulação entre R/3 chamadas de função remotas e as aplicações rodando em uma plataforma compatível COM ( que na verdade é um Plataforma Windows ) . Todas as aplicações não R/3  se conectam através de uma camada  proxy DCOM com o R/3. O componente SAP Logon ActiveX e o componente de Função SAP  ActiveX que usaremos mais tarde, tais como componentes DCOM. Eles são muito flexíveis , mas você também pode criar seus próprios componentes DCOM ( DLLs ) com a ferramenta conector DCOM que vem com o RFC SAPGUI software development kit . Se você desenvolver clientes para um ambiente de compatibilidade não DCOM , você tem que substituir os componentes DCOM com outros de objetos Standard. Para UNIX , há a norma aceita internacionalmente para o objeto CORBA  que faz basicamente a mesma coisa que o DCOM , COM ou COM +. SAP R/3 suporta CORBA para plataformas UNIX.

 Usando as Funções RFC

Para conectar ao R/3 de uma aplicação não R/3 basta importar o SAP Logon ActiveX e SAP Function ActiveX para dentro da sua IDE de programação ou chamar as funções diretamente da DLL mencionada nos tópicos acima. Apos a importação você terá uma nova paleta de componentes SAP.

Pode usar o SAP logon deste modo:


ObjetoSAPLogon.Client = "100"         // Numero do cliente para logon
ObjetoSAPLogon.Language = "EN"       //  Sua lingua
ObjetoSAPLogon.User = ""            // Seu Usuario
ObjetoSAPLogon.Password = ""       // Sua Senha

Veremos mais sobre este assunto ao longo do curso usando as linguagem Java, C++ e C#.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s